Ano de 1890. Próximo a serra, conhecida como ‘Serra da Palmeira’, um local oferecia aos tropeiros que se deslocavam de Bezerros em direção a Bonito, um pouso necessário antes de seguir viagem. Ainda com predominância da Mata, a região começou a ser desbravada, chamando atenção pelo solo e regime de chuvas, que favoreciam o cultivo do café e cana-de-açúcar. 

Do “pouso” às pequenas casas. Arruados que iam surgindo, pela extensão que hoje é a Avenida Siqueira Campos, Rua João Pessoa, Clementino Semente. Com o passar do tempo determinou o nascimento do distrito de Camocimtuba, em 1893. A religiosidade marcava o povo e, para confirmar a fé, em 1895 foi iniciada a construção de uma capela em honra a São Félix de Cantalice, onde atualmente se encontra a Matriz de São Félix.  

Já no Século XX, mais precisamente em  1943, o povoado passou a ser considerado vila, sendo chamado de Vila de Camocimtuba. A Lei Estadual nº 1818, de 29 de dezembro de 1953, desmembrou o distrito de Bezerros e, a partir de então, nascia a cidade de Camocim de São Félix.

Segundo Mário Melo (1931) e Daury da Silveira (1982), Camocim provém de camucim, do tupi kamu’si: pote, vaso, urna funerária. Já nos registros do IBGE, a palavra provém de caá: pau + mocina: polir, significando “pau lavrado”, ou ainda “buraco de enterrar defunto” (co: buraco + ambyra: defunto + anhotim: enterrar).

Anualmente, no dia 29 de dezembro a cidade comemora a sua emancipação política.  Administrativamente é formado pela sede e distritos.

Usa-se o gentílico camociense ou camocimfelicense.

 

Praça São Félix - Camocim, PE
Camocim de São Félix ainda Vila. Cidade ainda se destaca por ser rota de passagem para diversas localidades
Avenida Siqueira Campos recebendo calçamento. Camocim de São Félix ainda era Vila.
Com o passar do tempo e a chegada da PE 103, Camocim de São Félix ganha respaldo por ser privilegiada geograficamente, sendo rota de passagem para diversos municípios.